Un petit tour du côté du Mont St Michel, dans la Basse Normandie, tu veux en savoir un peu plus?

LÊ O ARTIGO SOBRE A VIAGEM AO MONTE ST MICHEL EM PORTUGUÊS AO CLICAR AQUI!

Impossible de ne pas tomber sous le charme, quand tu es entourée par la nature, la mer, l’histoire, la vie!

Aujourd’hui, je t’emmene en Normandie, dans le nord-ouest de la France. J’ai “atterri” exactement dans le département de la Manche, situé dans la Basse-Normandie, en effet la Normandie était composée de la Haute et de la Basse Normandie, qui forment désormais un seul département.

Ayant envie de me perdre dans la nature, j’ai décidé de passer quelques jours émergée dans le vert, l’eau, la terre et l’air avec la possibilité de plonger dans la vie active des villes voisines dès que je le souhaitais.

J’ai choisi Genêts pour mon séjour, à environ 3h30 de Paris et à 6 km à pied du Mont St Michel, une tranquillité absolue, connu comme étant un point de passage pour de nombreux pèlerins se rendant à la Baie afin de demander et de recevoir la protection du saint.

Dans ce petit village, des maisons typiques d’anciens pêcheurs, une magnifique vue sous différents angles sur le célèbre Mont Saint-Michel et la possibilité de faire de bonnes balades à vélo.

Trouver un logement dans les alentours est assez simple, j’ai été convaincue par le charme de la belle Boulangerie, qui appartient à un gigantesque manoir avec son propre lac, ses poissons, ses champs, ses chevaux, ses poules…quelle merveille!

L’objectif principal de cette semaine était de me reposer et d’explorer la nature dans son état le plus pur. La baie du Mont Saint-Michel, localisée entre la Bretagne à l’ouest et la Normandie à l’est, sur une superficie d’environ 500 km2, a été précisément le fort de ce voyage.

Une occasion de profiter de ce coin de France et de vous le faire découvrir.

Allons-y…

Tout près du village de Genêts se trouve le Bec D’andaine, une plage de sable fin et d’eau chaude, où l’on peut à nouveau admirer le Mont Saint-Michel au loin. Je dis chaude car au moment où j’y étais, j’ai eu des températures très élevées, ce qui n’est pas habituel dans cette région, comme dans beaucoup d’autres régions du pays et dans le monde, malheureusement. Prends toi aussi soin de notre planète <3.

La Route de la Baie était ma route quotidienne pour me déplacer et accéder aux plages qui apparaissaient le long du chemin, en voiture, avec une vue imprenable où tout nous conduit à contempler le Mont St Michel.

D’immenses champs avec des rouleaux de paille, des chevaux et des vaches, d’ailleurs des jolies vaches, ce sont les images que l’on garde du monde rural de la Basse-Normandie.

Dans cette direction, tu finis par tomber sur plusieurs plages telles que DRAGEY, PIGNOCHET, CAROLLES… certaines plus sauvages que d’autres, des campings, des caravanes, tout ce qui te fait penser aux vacances et à l’été. Petite remarque, pour ceux qui souhaitent regarder un beau coucher du soleil sur ces plages et se baigner, vous devez être prêts à marcher quelques mètres pour atteindre l’eau, à la fin de la journée la marée baisse et l’eau s’éloigne.

Avec un air de plage plus touristique, nous avons Jullouville, qui est également baignée par la baie du Mont St Michel, pour ceux qui aiment ce type d’ambiance plus commerciale, ici on est envahi par la fièvre du temps.

Pour terminer le parcours PLAGES, je propose Granville, la plus importante station balnéaire de la baie du Mont-Saint-Michel depuis le XIXe siècle, très fréquentée par de nombreux artistes. Des magnifiques toiles d’eau bleue, une plage appétissante avec une vue panoramique sur la Haute Ville, le quartier historique.


Granville est la ville où a lieu le Festival de jazz Baie St Michel, avec une affiche toujours prometeuse, des concerts de jazz d’artistes nationaux et internationaux.

Pour tous ceux qui partagent une passion pour la Mode, vous allez adorer savoir que, dans cette ville, «habite» l’ancienne maison natale du célèbre couturier français Christian Dior, devenue un musée. L’exposition «Grace de Monaco, Princesse en Dior» est actuellement en cours, elle met en valeur la beauté et l’élégance de cette icône éternelle, avec 85 robes Haute Couture Dior prêtées par le Palace de Monaco. Comme les animaux ne sont pas autorisés et que Kikie a participé à ce voyage et grande aventure, je me suis contentée du jardin du musée. Mais j’espère y retourner bientôt.

J’en profite pour vous rappeler, n’oubliez pas vos compagnons de tous les jours, ne les abandonnez pas et partagez aussi souvent que possible ces moments avec eux. Ils le méritent!

Les vacances en famille sont toujours les meilleures.

Pour couronner le tout, j’ai laissée ma visite au Mont St Michel, patrimoine mondial de l’UNESCO depuis 1979, pour le dernier jour de vacances, un véritable marathon!

Après avoir garé la voiture dans l’un des nombreux parkings, il y a deux options pour se rendre au Mont St Michel, prendre les navettes gratuites qui passent fréquemment ou parcourrir les 3 km à pied, ce qui fut mon cas, car encore une fois, les animaux ne sont pas acceptés, eh oui Kikie est déjà allée au Mont St Michel, une sacrée veinarde!

Je te conseille d’y aller à pied, le sentiment de s’approcher progressivement est impressionnant et unique. Des baskets, des vêtements confortables, de l’eau… n’oublie pas tout ce dont tu as besoin pour une bonne promenade. Mais plus que les 3 km à pied pour ceux qui prennent la voiture, l’idéal est de faire cet itinéraire en compagnie d’un guide et de traverser la baie pas à pas, une expérience inoubliable.

Étant le site touristique le plus visité de Normandie, accessible par terre et par la mer, il va sans dire que ce que l’on voit le plus ce sont des personnes impatientes d’arriver à «l’île au milieu de nulle part» et de se rendre à sa beauté. En raison de la marée haute, le Mont St Michel est véritablement une île pendant plusieurs heures, un royaume de rues, de restaurants, de cafés, de boutiques et au sommet la célèbre abbaye, des murailles offrant des vues panoramiques à ne pas manquer…

Le Mont St Michel a été fondé par l’évêque d’Avranches, Saint Aubert, en 708, la légende raconte qu’après la 3ème apparition de l’archange Saint-Michel dans ses rêves, il décida de lui rendre hommage et créa le Sanctuaire.

Ainsi s’est terminé mon voyage, la découverte d’un archipel riche en faune et en flore, magique par ses grandes marées, une immersion au cœur d’une nature sauvage et préservée.

Promesse tenue, j’espère que tu as aimé et que tu m’as accompagné dans cette expédition.

Ça t’as plu? Pour quand une visite au Mont St Michel?

Colmar, la ville enchantée, en as-tu déjà entendu parler?

LÊ O ARTIGO SOBRE A VIAGEM A COLMAR EM PORTUGUÊS AO CLICAR AQUI!

Accompagne-moi dans ce voyage, une véritable carte postale qui mérite d’être visitée!

Lorsque l’on pense à la France, on pense automatiquement “Ah Paris …!”. Bien que j’aime la vie, la magie, l’énergie et les vibrations de la capitale, je valorise également et j’apprécie une bonne promenade dans les petites villes, dotées d’une beauté unique et authentique.

Ma “mission” est de t’emmener à la découverte de ces coins moins connus, du moins au Portugal. Mon séjour à Colmar a été assez court, mais j’ai pu préparer un article bien constitué, je suis sûre que tu vas adorer!


Colmar, fondée au 9ème siècle, est une ville qui appartient à l’Alsace dans le nord-est de la France, à la frontière de l’Allemagne et de la Suisse. En raison du passé historique, tu remarqueras une grande influence allemande aussi bien au niveau de l’architecture que de la gastronomie.

Il m’a fallu environ six ou sept heures en voiture pour y arriver, mais ça valait le coup. Cela faisait longtemps que je ne voyageais pas en voiture, je finis toujours par faire attention aux choses simples de la vie et comme d’habitude, je les partage avec toi. Tous les longs voyages nécessitent un arrêt, ce fut le cas pour celui-ci, j’ai privilégié les zones de service “vertes” (comme j’aime les appeler) moins fréquentées et avec toutes les conditions nécessaires. Pour ceux qui sont en vacances, rappelez-vous de ces espaces accueillants pour vous détendre l’espace de quelques minutes, un repas en plein air, une “pause nature-repos” … cela rend le reste du voyage plus léger et plus décontracté.

Tu m’en dis des choses, mais à quoi ressemble Colmar? N’est-ce pas ce que tu penses?!

Colmar c’est la typique ville médiévale de France, remplie de maisons à colombages colorées face à la rivière. “Une maison à colombages ou maison à pans de bois est une maison constituée d’une ossature de bois et d’un hourdage(remplissage) fait de briques ou de torchis, parfois de plâtre.” (merci Vikidia)

Quoi visiter à Colmar?

Rues, ruelles, canaux, ce n’est pas un hasard si Colmar est connue sous le nom de La Petite Venise, baignée par la rivière Lauch, c’est bien mon quartier préféré. Des promenades en bateau sont organisées le long de ces canaux semblables à celles que l’on admire à Venise, cependant beaucoup moins importantes, ne perdant jamais son charme.

Le Marché Couvert, situé à la Petite Venise, est un endroit où tu trouves toutes les spécialités de la cuisine locale, une excellente occasion de voir ce que l’on mange dans la région et de goûter.

À côté de la Petite Venise, le Quartier des Tanneurs, avec des façades qui méritent d’être vues comme partout dans cette ville pittoresque. Regarde autour de toi!

Si comme moi, toi aussi tu aimes les brocantes, ça vaut le coup d’y aller, toujours très inspirant.

Colmar, comme toutes les villes, a son caractère historique et commercial, il est toujours intéressant de “se perdre” dans la ville et d’assister au quotidien des habitants tout en vivant parallélement ton expérience touristique. Oui, parce que des touristes, il y en a partout dans la ville. Et puisque j’aborde le tourisme, je vais en profiter pour énumérer certains des points les plus visités de Colmar.

La Maison des Têtes est un monument historique avec 106 têtes humaines sculptées dans la façade, fonctionnant actuellement comme un hôtel et un restaurant.

La Maison Pfister, est peut-être la maison la plus connue de Colmar, elle a été construite en 1537 par Ludwig Scherer, c’est l’un des bâtiments les plus beaux et les plus anciens de la ville, pour ceux qui aiment l’architecture, elle est une perle à ne pas manquer.

Le musée Bartholdi est un musée qui porte le nom de l’ancien sculpteur français Frédéric Auguste Bartholdi, le célèbre créateur de la Statue de la Liberté de New York, c’est l’un des résidents les plus fameux de Colmar.

Le Musée du Jouet, qui enchante toutes générations, propose une collection variée de jouets du 19ème siècle à nos jours, un retour dans le passé.

Le musée Unterlinden, situé dans un ancien couvent dominicain, contient de magnifiques chefs-d’œuvre d’artistes alsaciens, ainsi que d’auteurs tels que Monet, Picasso, Renoir …

Entre musées, monuments historiques, théâtres, églises, boutiques, restaurants, cafés, etc… Colmar, n’étant pas grand de par sa taille, est une ville riche en histoire, en culture, avec sa beauté architecturale et paysagère qui lui est si propre.

Où manger à Colmar?

Colmar a une variété de restaurants très chaleureux, tu auras l’embarras du choix!

Je suis restée au Wistub de la Petite Venise, pour découvrir l’un des plats typiquement alsaciens, la choucroute.

La table choisie pour mon déjeuner!

Quel charme! t’es pas d’accord?

Tartes flambées ou Flammekueche sont également une spécialité alsacienne à ne pas manquer, je me suis laissée tenter par le charmant restaurant Brasseries des Tanneurs, qui propose différentes options tant en plat qu’en dessert.

Jadis et Gourmande, l’un des meilleurs salons de thé de Colmar, une ambiance agréable à la décoration très particulière, des peluches, des ours partout. Un bon pari pour déguster un morceau de tarte et boire un thé frais fait maison ou un jus naturel.

Deux autres possibles alternatives à la Petite Venise:

ET LES VILLAGES À PROXIMITÉ?

Ceux qui se rendent à Colmar sont rarement indifférents aux magnifiques villages situés à la périphérie de la ville. Il est donc conseillé de louer une voiture pour ne pas rater l’occasion de flâner sur la Route des vins, visiter les caves, profiter des immenses domaines viticoles et de s’arrêter obligatoirement à Riquewihr, Ribeauvillé, Kaysersberg, Eguisheim

N’ayant pas beaucoup de temps, cette fois, je n’ai pu me rendre qu’à Riquewihr, réputé pour son beauté médiévale, un village plein de couleur et de caractère qui plus ressemble à un “musée” à ciel ouvert.

Un monde en petit format, beaucoup de touristes mais beaucoup moins qu’à Colmar. Pour ceux qui aiment Noël, vous ne serez pas déçus, un magasin géant dédié exclusivement à Noël, avec mille et un articles et tout ce qui vous fait penser à cette période, une merveille pour les grands et les petits.

On peut le visiter à tout moment de l’année, mais les fêtes de Noël font de ce petit bout de terre un véritable paradis.


Dis-moi, un petit tour à Colmar ça te tente?

Fui explorar a baía do Monte St Michel, na Baixa Normandia, queres saber como foi?

LIS CET ARTICLE EN FRANÇAIS, EN CLIQUANT ICI!

Como não gostar quando tudo o que te rodeia é natureza, mar, história, vida!

Hoje vou levar-te comigo até à Normandia, a região no noroeste de França, eu “aterrei” exactamente no departamento da Mancha, situado na Baixa Normandia, sim porque a Normandia era composta pela Alta e Baixa Normandia que actualmente formam um só departamento.

Com vontade de me perder na Natureza, decidi passar uns dias emergida no verde, água, terra e ar com a possibilidade de mergulhar na vida activa das cidades vizinhas assim que desejado.

Escolhi Genêts, a uma distância de +-3h30 de Paris, para a minha estadia, localizada a uns 6km a pé do Monte St Michel, tranquilidade absoluta, conhecida por ser um ponto de passagem para muitos peregrinos que vão até à Baía para pedir e receber a protecção do santo.

Casas típicas de antigos pescadores, vista maravilhosa para o famoso Monte St. Michel em vários ângulos da pequena aldeia e com possibilidade de dar uns bons passeios de bicicleta.

Não é complicado encontrar alojamento por esses lados, eu deixei-me convencer pelo charme da rica Boulangerie (uma antiga padaria), que pertence a uma mansão gigantesca com o seu próprio lago, peixes, campos, cavalos, galinhas…um espanto.

O objectivo principal dessa semana era descansar, explorar a Natureza no seu estado mais puro, a Baía do Monte Saint-Michel situada entre a Bretanha, a Oeste, e a Normandia, a Este, uma superfície de aproximadamente 500 km2, foi precisamente o foco desta viagem.

Uma oportunidade para apreciar este canto de França e trazer novidades.

Vamos lá…

Bem perto da povoação de Genêts, temos o Bec D’andaine, uma praia de areia fina e água quente, onde se consegue ver mais uma vez lá ao longe o Monte St. Michel. Eu digo quente porque na altura em que lá estive, apanhei uns dias de muito muito calor, o que não é habitual para essa zona, como em muitas outras partes do país e do mundo, infelizmente. Cuida tu também do nosso planeta <3.

Route de la Baie, foi diariamente a estrada frequentada para me deslocar e aceder às praias que vão aparecendo ao longo do caminho que se faz de carro, com uma vista deslumbrante onde tudo aponta e nos leva a contemplar o Monte St Michel.

Enormes campos com rolos de palha, cavalos e vacas bem jeitosas, diga-se de passagem, são as imagens que ficam do meio rural da Baixa Normandia.

Nessa direcção, quilómetro sim quilómetro não, acabas por ir descobrindo várias praias como DRAGEY, PIGNOCHET, CAROLLES… umas mais selvagens que outras, parques de campismo, caravanas, tudo o que faz pensar em férias e verão. Pequeno aparte quem quiser assistir a um bonito pôr-do-sol nestas praias e dar um mergulho, tem que estar disposto a andar uns bons metros para chegar à água, ao fim do dia a maré baixa e o mar afasta-se.

Com um ar de praia mais turística temos Jullouville, que também é abrigada pela baía do Monte St Michel, para quem gosta deste tipo de ambiente mais comercial, aqui é contagiado pela febre da época.

Para finalizar o percurso PRAIAS proponho Granville, a estação balnear mais importante da baía do Monte St Michel desde o século XIX, muito frequentada por vários artistas. Lençóis de água azul, praia apetitosa com uma vista panorâmica no alto da Haute Ville, o bairro histórico.


Granville é o local onde se realiza a edição do festival de jazz Baie St Michel, sempre com um cartaz “invejoso”, concertos de jazz de artistas nacionais e internacionais.

Para todos aqueles que partilham a paixão pela Moda, vão adorar saber que nessa cidade “vive” a antiga casa de infância do conhecido costureiro de alta costura francês, Christian Dior, que se tornou num museu. Neste momento, está a decorrer a exposição “Grace de Monaco, princesse en Dior”, onde é realçada a beleza e elegância desta eterna ícone, com 85 vestidos de Alta Costura Dior emprestados pelo Palácio do Mónaco. Infelizmente como os animais não são permitidos e a Kikie fez parte desta viagem e grande aventura, fiquei pelo jardim do museu. Mas espero voltar muito em breve.

Aproveito para relembrar, não se esqueçam dos vossos companheiros do dia-a-dia, não os abandonem e sempre que possível partilhem com eles esses momentos. Eles merecem!

As férias em família são sempre melhores.

Para acabar em grande, arrastei a visita ao Monte St Michel, património mundial da Unesco desde 1979, para o último dia de férias, uma verdadeira maratona!

Depois de “abandonar” o carro num dos inúmeros parques de estacionamento, existem duas opções para chegar ao Monte St Michel, recorrer aos autocarros grátis que circulam frequentemente ou andar os 3km a pé, que foi o meu caso até porque mais uma vez os animais não são aceites, sim a Kikie já foi ao Monte St Michel, muito viajada!

Aconselho a ida a pé, a sensação de se aproximar progressivamente é impressionante e única. Sapatilhas, roupa confortável, água…não se esqueçam de tudo o que é preciso para uma boa caminhada. Mas mais dos que os 3km a pé para quem vai de carro, o ideal é fazer esse percurso acompanhado de um guia e atravessar a baía a caminhar, uma experiência sem dúvida memorável.

Sendo o ponto turístico mais frequentado da Normandia, acessível por terra e por mar, escusado será dizer que o que mais se vê são pessoas desejosas de chegar à “ilha no meio do nada” e render-se à sua beleza. Devido à maré alta o Monte St Michel é realmente uma ilha durante várias horas, um reino de ruas, restaurantes, cafés, lojas e no topo a famosa Abadia, muralhas com vistas panorâmicas imperdíveis…

O Monte St Michel foi fundado pelo bispo de Avranches, Saint Aubert no ano 708, pelo que diz a lenda após a 3ª aparição do arcanjo S. Miguel nos seus sonhos, ele decidiu homenageá-lo e criou o Santuário.

Assim terminou a minha escapadinha com esta descoberta do arquipélago rico em fauna e flora, mágico pelas suas grandes marés, um mergulho no coração de uma natureza selvagem e preservada.

Promessa cumprida, espero que tenhas apreciado e que tenhas vivido comigo esta viagem por esta região de França.

Gostaste da ideia para uma próxima viagem? Para quando a tua ida ao Monte St Michel?

Já ouviste falar de Colmar, a cidade que mais parece saída de um conto de fadas?

LIS CET ARTICLE EN FRANÇAIS, EN CLIQUANT ICI!

Anda daí e viaja comigo até lá, um verdadeiro postal que merece a tua visita!

Quando se fala em França, pensamos automaticamente “ai Paris…!”, se bem que adoro a vida, magia, energia e vibrações da capital, também valorizo e aprecio uns bons passeios pelas cidades mais pequenas, dotadas de uma beleza única e autêntica.

A minha “missão” é levar-te a descobrir esses recantos menos conhecidos, pelo menos aí em Portugal.
A minha estadia em Colmar foi bastante curta mas deu para preparar um artigo bem composto que não tenho dúvidas vais adorar devorar!


Colmar, fundada no século IX, é uma cidade que pertence à Alsácia, no nordeste de França, a região que faz fronteira com a Alemanha e Suíça. Devido ao passado histórico, nota-se uma grande influência alemã quer na arquitectura da cidade quer na gastronomia, vais te aperceber no desenrolar da viagem.

Foram umas seis, sete horas de carro para chegar lá, mas valeu muito a pena. Já há algum tempo que não fazia viagens tão longas de carro e acabo sempre por despertar a minha atenção em coisas simples da vida e como tal, partilho contigo. Toda a viagem demorada exige paragem e desta vez não foi excepção, a diferença é que privilegiei as áreas de serviço “verdes” (como eu gosto de chamar) menos frequentadas e com todas as condições necessárias. Para quem vai de férias, lembrem-se destes espaços tão aconchegantes para relaxar o tempo de alguns minutos, uma refeição ao ar livre, uma “pausa descanso-natureza”…torna o resto da viagem mais leve e agradável.

Muito me contas, mas afinal Colmar como é? Não é isso em que estás a pensar?!

Colmar é a típica cidade medieval francesa, repleta de casas de enxaimel coloridas em frente ao rio, em francês, chamam-se “les maisons colombages”, uma técnica de construção que consiste “em paredes montadas com hastes de madeira encaixadas entre si em posições horizontais, verticais ou inclinadas, cujos espaços são preenchidos geralmente por pedras ou tijolos” (obrigado wikipédia).

O que visitar em Colmar?

Ruas, ruelas, canais, não é por acaso que Colmar é conhecida como La Petite Venise, a Pequena Veneza, banhada pelo rio Lauch, esta é a minha zona preferida da cidade. São organizados passeios de barco por esses canais semelhantes aos que se vêm em Veneza, mas em ponto bem mais pequeno, não deixando de espalhar o seu charme assim como visitas no comboio turístico.

O mercado coberto, Le Marché Couvert, localizado na Petite Venise é um local onde podes encontrar todas as especialidades da gastronomia local, é uma óptima maneira de ver o que se come por ali e provar.

Ao lado de La Petite Venise encontra-se também o Quartier des Tanneurs com fachadas que merecem ser contempladas como em todo o resto desta cidade pitoresca. Olha à tua volta!

Se como eu também gostas de brocantes, lojas de antiguidades, não deixes escapar, é sempre inspirador.

Colmar como todas as cidades tem o seu lado mais histórico e mais comercial, é sempre interessante “perder-te” na cidade e assistir à vida dos habitantes no dia-a-dia vivendo simultaneamente a tua experiência turística. Sim, porque turistas não faltam, em qualquer parte da cidade. E já que abordo o turismo, vou aproveitar para enumerar alguns dos pontos mais característicos de Colmar.

A Maison des Têtes é um monumento histórico com 106 cabeças humanas esculpidas na fachada, actualmente funciona como um hotel e restaurante.

A Maison Pfister, é talvez a casa mais conhecida em Colmar, construída em 1537 por Ludwig Scherer, um dos edifícios mais bonitos e antigos da cidade, para quem gosta de arquitectura, é uma pérola a não perder.

O Musée Bartholdi é um museu em homenagem ao antigo escultor francês Frédéric Auguste Bartholdi, o célebre criador da Estátua da Liberdade de Nova Iorque, um dos mais famosos moradores de Colmar.

O Museu do Brinquedo que encanta pequenos e grandes, propõe uma variada colecção de brinquedos do século XIX até aos dias de hoje, um regresso ao passado.

O Museu Unterlinden situado num antigo convento dominicano, contém obras-primas maravilhosas de artistas da região alsaciana, assim como de autores como Monet, Picasso, Renoir…

Entre museus, monumentos históricos, teatro, igrejas, lojas, restaurantes, cafés etc… Colmar, não sendo grande, é uma cidade rica em história, cultura, com uma beleza arquitectónica e paisagista que lhe é tão própria.

Onde comer em Colmar?

Colmar tem uma variedade de restaurantes muito acolhedores, é só escolher!

Eu fiquei pelo Wistub de la Petite Venise, para testar um dos pratos típicos da Alsácia, a choucroute.

A minha mesa para o almoço!

Um encanto digam lá?

Tartes flambées ou Flammekueche são também uma especialidade alsaciana que deves experimentar, deixei -me levar pelo atraente restaurante Brasseries des Tanneurs, que propõe diferentes opções tanto em prato principal como em sobremesa. 

Jadis et Gourmande, um dos melhores salões de chá de Colmar, ambiente caloroso e com uma decoração muito particular, peluches, ursos por todo o lado. Um boa aposta para saborear um pedaço de tarte e beber um chá caseiro fresco ou sumo natural.

Mais duas possíveis alternativas na Petite Venise:

E AS ALDEIAS VIZINHAS?

Quem vai a Colmar, raramente consegue ficar indiferente às magníficas aldeias nos arredores da cidade, por isso é aconselhado ir ou alugar um carro, juntar o útil ao agradável e dar uma volta pela Rota dos Vinhos, visitar caves, apreciar os gigantescos campos vinícolas e parar obrigatoriamente em Riquewihr, Ribeauvillé, Kaysersberg, Eguisheim…

Com o tempo contado, desta vez só consegui ir até Riquewihr, reputada pelo seu charme medieval, uma aldeia repleta de cor e de carácter que mais parece um “museu” ao ar livre.

Um mundo em ponto pequeno, muitos turistas também se bem que menos que em Colmar. Para quem gosta da época natalícia não vai ficar desiludido mesmo ainda não sendo altura, uma loja enorme exclusivamente dedicada ao Natal, com mil e uma decorações e tudo o que faz pensar nele, um espanto para miúdos e graúdos.

Merece ser visitada em qualquer altura do ano mas as festividades natalícias fazem deste pequeno pedaço de terra um verdadeiro paraíso.

Diz lá, se não ficaste com vontade de dar um pulo até Colmar?

Sabes como organizar a tua ida a Amesterdão? II

Parte II

O TERCEIRO DIA, talvez o meu preferido, sem desvalorizar tudo o que vi nos outros dias, só mesmo porque acho que me sinto feliz quando tudo o que vejo à minha volta me inspira. Quase na reta final da viagem, ainda curiosos para saberem o que andei a fazer nestes dois últimos dias?

Logo pela manhã fui até ao WATERLOOPLEIN FLEA MARKET, para quem gosta de vintage e deste tipo de mercados de antiguidades, aqui encontramos uns tesourinhos. Este mercado de pulgas só fecha aos domingos e feriados, cada barraca tem algo diferente, por falar em tendas, são +- 300, imensas roupas em segunda mão e também roupa nova, antiguidades, bijuterias, lembranças, peças para bicicletas e muito mais. Fica perto de REMBRANDT HOUSE MUSEUM, a casa onde viveu o pintor holandês Rembrandt e que se tornou museu em 1911.

Sempre na mesma onda de explorar e descobrir o que eu chamo de lado mais fascinante em Amesterdão, fui até DE 9 STRAATJES (The 9 STREETS), uma zona repleta de lojas, vintage e design, marcas exclusivas, alternativas, cafés e restaurantes acolhedores, locais para todos os gostos e imensas pessoas a passear de bicicleta, a pé, nos cafés, etc. É um bairro lindo com os vários canais que ligam as ruas entre elas, com uma arquitetura única e um ambiente encantador, uma verdadeira inspiração! 

Só faltava mesmo passear pelo bairro JORDAAN, local escolhido para o meu segundo look, lembram-se?! É conhecido pelas suas belas casas, é dos bairros mais charmosos, com bons restaurantes, lojas originais e especializadas, galerias de arte, especialmente arte moderna. Fica perto das THE 9 STREETS, é aqui que fica o museu de Anne Frank, tive imensa pena de não visitar, mas já antes de ir para Amesterdão os bilhetes estavam esgotados, para quem estiver a pensar ver este museu é aconselhado comprar os bilhetes na internet com mais de um mês de antecedência. Para quem ainda não sabe dizem que o nome vem da palavra “jardin” em francês, que significa jardim e a maioria das ruas e canais tem o nome de árvores e flores, hoje é dos bairros mais caros e luxuosos da Holanda.

Acabei o meu terceiro dia com uma ida ao museu de fotografia FOAM, onde estavam a decorrer quatro exposições. No museu podes encontrar um café, uma biblioteca, uma galeria comercial e ainda uma livraria.

Fim da visita numa sexta à noite e com um dia bem quente, as esplanadas estavam cheias de pessoas, gargalhadas e boa disposição, o cheirinho a fim de semana, janelas iluminadas pelos candeeiros no interior, fachadas deslumbrantes, cobertas de flores coloridas, verdes, imensas bicicletas a circular nas pontes, nas ruas e estacionadas em frente de cada casa, uma sensação de movimento e agitação quando passas nos cafés e restaurantes e minutos depois de tranquilidade e sossego quando se anda pelas ruas e canais.

O QUARTO DIA só tive mesmo tempo de visitar o VONDELPARK, é um parque enorme, tem parques infantis, cafés, restaurantes, dos mais conhecidos no país. Fica perto dos museus RIJKSMUSEUM, STEDELIJK E VAN GOGH, falei deles na parte I do meu artigo.

Nessa manhã estava imenso calor e sol, parecia um dia de verão então não se podia esperar outra coisa a não ser pessoas apanhar sol em biquini :p, famílias a fazer piqueniques, casais a namorar, pessoas a passear de bicicleta, a correr, a caminhar, a ler, a conversar, deitados na relva, turistas muitos turistas.

Um bocadinho de história só para ficarem a saber que o nome do parque é uma homenagem ao escritor Joost van den Vondel que viveu no século XVII e que antes se chamava “Parque Novo”.

Termino esta viagem com uma fotografia inspiradora de alguém que captei nas ruas perto do parque… What a stunning girl!

Qual será o próximo destino?

Sabes como organizar a tua ida a Amesterdão?

PARTE I

Prontos para viajar comigo até à capital holandesa, conhecida também pela Veneza do Norte?

Vamos lá…Como para todas as viagens, gosto de falar e partilhar o antes e o depois de chegar ao local, transporte, dicas, informações que vão ser úteis para todos aqueles que estão a pensar mais cedo ou mais tarde fazer o mesmo.

Acho que foi das chegadas mais simples e rápidas ao destino, depois de aterrar no aeroporto SCHIPHOL em Amesterdão, apenas tive que chegar ao ponto de recolha das malas e depois quando saí já tinha várias alternativas para ir até ao centro, autocarro, comboio, táxi… eu escolhi o comboio. Comprei o bilhete de ida e volta para o meu hostel que ficava a +- 15 minutos do aeroporto, preço muito acessível, depois de ter o bilhete é só seguir as indicações para onde queremos ir. O aeroporto é enorme, com boas indicações, fácil acesso, pontos de informação, balcões e máquinas para compra de bilhetes, supermercados com muita oferta de comidas rápidas, fruta, sushi, espaços de restauração e muitas flores.

O alojamento que escolhi foi mais uma vez um hostel, HOSTELLE, a localização era ótima, 15 minutos do aeroporto de comboio e 15 minutos de metro do centro com condições muito boas e com tudo aquilo que é necessário.

Agora sim, o mais empolgante falar sobre a cidade em si.

Amesterdão é uma cidade cheia de vida, muito turística também, multicultural, com milhares de bicicletas e não estou a exagerar, acreditem, muitos museus e várias atividades culturais, canais magníficos e pessoas a passear de barco, arquitetura inspiradora, inúmeras atrações e um ambiente descontraído e livre.

O PRIMEIRO DIA comecei por explorar o centro, com a visita à Praça DAM, onde se pode encontrar o palácio Real, o museu Madame Tussauds, um local muito movimentado e turístico, dos mais conhecidos e visitados na capital com restaurantes, cafés, lojas, monumentos históricos etc… Nessa zona fica também o famoso bairro “Red Light District”, bairro da Luz Vermelha, onde se vêm as ‘meninas’ nas montras, uma zona de prostituição legalizada. 

Para contrariar esse ambiente mais comercial, encontramos em paralelo pessoas que se sentam na beira dos canais a aproveitar os raios de sol, desfrutar do bom tempo, conversar, conviver. Passeios de barco com visita guiada, comida, bebida e animação que dão a conhecer os principais pontos turísticos e história da cidade.

Logo nesse primeiro dia fiquei impressionada com a quantidade de bicicletas que invadem Amesterdão, a circular, estacionadas em parques, encostadas em frente às casas, cafés, é sem dúvida o principal meio de transporte da capital. Em Estocolmo vi muitas mas esta cidade bateu o record. E já agora aproveito para dizer que acho que estive mais atenta às bicicletas que apareciam de todos os lados que propriamente aos carros ou outros transportes, é impressionante, giro e divertido! Ora vejam só …

Para chegar ao centro e voltar para o hostel foi bastante fácil, apanhar o metro até Centraal station e depois percorrer as ruas para descobrir a beleza de Amesterdão.

SEGUNDO DIA foi passado na zona dos museus, MUSEUMPLEIN, depois de chegar à Centraal Station tive que apanhar o tram nº12 para chegar até lá. Um pequeno aparte quando se anda nos transportes públicos, neste caso no tram, temos que fazer sempre check in e check out, o cartão que utilizei durante a viagem, foi comprado numa das estações e carreguei para três dias.

Na Praça dos Museus estão situados três principais museus da cidade, o Rijksmuseum (Museu Nacional) dedicado a artes e história, o Museu VAN GOGH com os trabalhos do pintor Vincent Van Gogh e dos seus contemporâneos e o museu STEDELIJK, museu de arte moderna. Aqui encontramos também o letreiro que toda a gente vê nas fotos de Amesterdão, “I AMSTERDAM”. E muito perto temos o museu MOCO, comecei com a visita a este museu de arte moderna, contrariamente ao museu Van Gogh, aqui pode-se tirar fotografias. 

MOCO MUSEUM, um ambiente inspirador, com exposições fantásticas que nos levam a refletir e apreciar as belas obras de arte. Um verdadeiro prazer observar os trabalhos do BANKSY o artista britânico que cria sobretudo streetart, as suas obras são muitas vezes humorísticas e políticas. Acho que quase todos, nos lembramos da fotografia “Ballon Girl”

Roy Lichtenstein, um pintor estado-unidense, um dos maiores intérpretes de arte contemporânea e um mestre da arte pop, obras multicoloridas e sensacionais, estilo banda desenhada. 

Para o museu Van gogh, do pintor holandês, aconselho a prever mais de duas horas para conseguir desfrutar ao máximo da visita, é enorme com vários andares. Comprei o bilhete na internet já antes de chegar a Amesterdão porque podem esgotar e tem hora marcada. Sacos, mochilas, casacos, máquinas fotográficas têm que ser deixados antes de entrar em cacifos grátis.  Importante também comprar o guia áudio, a ida torna-se bem mais enriquecedora quando ficamos a conhecer a origem de cada obra, a sua maneira de trabalhar, inspirações, a história e vida do pintor para quem gosta de pintura e arte.

A exposição que estava a decorrer era “Van Gogh and Japan”, que nos dá a conhecer a admiração do pintor pelo Japão sem mesmo nunca lá ter ido. Ele criou a sua própria imagem do país graças às gravuras japonesas que colecionou e estudou, uma verdadeira inspiração para o pintor.

Bem, depois uma pausa bem merecida, deitada na relva no Museumplein, ao lado de várias pessoas também a descansar, ouvir música, conversar e passar o tempo.

Só faltava mesmo encontrar um café bem aconchegante para acabar o dia e foi o que aconteceu. O CAFÉ BRECHT a alguns minutos da Praça, é um espaço com decoração vintage, sofás, cadeiras, candeeiros, papel de parede, estilo retro, molduras… vale mesmo a pena visitar, decoração única, inspiradora e que te faz voltar no tempo. Um local bem acolhedor, confortável, calmo durante do dia, ideal para relaxar, ler um livro na companhia de um chá ou então degustar as várias opções de comida, bebida, cocktails.

E a descoberta de um novo sítio fica bem mais cativante quando sabemos um bocadinho sobra a sua história, CAFÉ BRECHT, a dona partilha uma paixão pela cultura alemã e pelos seus escritores, e um deles é o escritor Eugen Berthold Friedrich Brecht daí o nome. O café Brecht realiza, regularmente, performances para os amantes da literatura e da poesia.

Estão a gostar?! Parte II, muito em breve…

Pin It on Pinterest